Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário
Notícias
08h00

IHEF Vacinas alerta para a importância da atualização da caderneta de vacinação para crianças e adultos

Com os índices de cobertura vacinal ainda distantes, no Brasil, da meta estabelecida pelo Programa Nacional de Imunizações, especialistas e profissionais de saúde reforçam que as vacinas desatualizadas podem significar um alto risco à população, possibilitando a reintrodução de doenças graves já erradicadas.

Compartilhe
Tamanho da Fonte
IHEF Vacinas alerta para a importância da atualização da caderneta de vacinação para crianças e adultos

Para a coordenadora Fabiana Porto, do IHEF Vacinas, além de segura, a imunização na idade certa é fundamental. “Muitas vezes, as pessoas não dão importância, porque não estão vendo mais casos aparecerem, e o que acontece é que a baixa cobertura vacinal permite que uma doença imunoprevenível, ou seja, que pode ser evitada de forma eficaz, possa voltar a aumentar”, alerta.

Médica pediatra, com atuação também junto às salas de vacina, Eliana Chagas reforça a importância da vacinação para a saúde coletiva. “A falta de cobertura vacinal pode levar ao reaparecimento de doenças, a um maior número de sequelas, hospitalizações e mortes”, adverte.

Queda nos índices de imunização
Dados do Ministério da Saúde evidenciam o motivo da preocupação dos profissionais: o Brasil segue apresentando queda, nos últimos 5 anos, na cobertura do calendário de vacinação. Entre as 15 vacinas preconizadas para o público infantil, mais da metade não batem as metas desde 2015. A chamada “BCG”, aplicada em recém-nascidos para evitar a tuberculose, chegou a apenas 63,88% de cobertura em 2020, de acordo com números do DataSus. A poliomielite – doença que pode atingir o sistema nervoso, levando à paralisia, e que não tem cura, mas pode ser prevenida através da vacina – também ficou longe, ano passado, da cobertura preconizada; apenas 65,57% das crianças tiveram aplicada a dose do imunizante.

“Nós temos hoje o sarampo, que voltou com força total justamente por conta dessa desatualização”, explica Fabiana Porto.

A recomendação – aponta ela – é que as pessoas com esquema vacinal incompleto procurem o serviço de saúde público ou particular para garantir a imunização. 
 

Prevenção a doenças fatais
Em índices gerais, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que as vacinas evitam de 2 a 3 milhões de mortes anualmente e poderiam salvar mais de 1,5 milhão de vidas, se a imunização fosse ampliada. 
Um estudo da Universidade de Oxford aponta ainda que o quantitativo de mortes de crianças por doenças para as quais existem vacinas caiu de 5,5 milhões, na década de 90, para 1,8 milhão, em 2017. Apesar disso, estatísticas da OMS mostram que 20 milhões de crianças estão, hoje, suscetíveis a doenças por falta de imunização.

O cenário foi intensificado, diante das restrições necessárias para evitar a expansão do coronavírus. Especificamente no Brasil – considerado referência em programas de imunização – isso também foi sentido, com impactos em todos os estados. “Observamos na pandemia, uma diminuição grande dos pacientes de vacinas. Isso aconteceu pelo próprio isolamento e pelo receio do paciente de chegar ao consultório, subir pelo elevador, dentre outras ações consideradas de risco para o momento” relata a pediatra Eliana, que tem recomendado aos pacientes que atende em Feira de Santana, que não deixem de atualizar a caderneta, seja através de um agendamento prévio para evitar contato com outras pessoas na sala de vacina, seja por meio de imunização em domicílio.

“Recomendamos os cuidados básicos, que são manter a distância, higienizar as mãos, utilizar a máscara obrigatória. Para as mães com bebês de colo, que atendo, tenho recomendado usar um paninho na região do nariz e da boca”, completa a médica.

Quais vacinas tomar?
A enfermeira e coordenadora Fabiana, do IHEF Vacinas, listou as principais doses do calendário infantil: BCG e Hepatite B, ao nascer, Pentavalente, Poliomielite, Pneumocócica, Rota Vírus, Meningocócica, Influenza, Febre Amarela, Tríplice Viral, Hepatite A, Varicela e BCP. De acordo com ela, entretanto, não é apenas a caderneta das crianças que deve ser atualizada.

Entre as vacinas adulto estão a Tríplice viral, Hepatites A e B, HPV, Tríplice bacteriana, Varicela, Influenza, Meningocócicas e conjugadas ACWY/C, Meningocócica B, Febre amarela, Pneumocócicas e Herpes zóster.

“A vacina contra herpes-zóster, que é uma doença seríssima, faz parte do calendário adulto e é muito importante. Ela é administrada em dose única, pela rede particular, em pessoas a partir dos 50 anos, para evitar a doença causada pela reativação do vírus da varicela, também conhecida como catapora”, observa Dra. Eliana Chagas.

Na rede privada, o IHEF Vacinas – referência em tecnologia laboratorial – oferece todas as doses do calendário infantil, juvenil e adulto. Os serviços de vacinação são realizados por profissionais com formação superior em Enfermagem e a sala de vacinas, onde é realizada a aplicação, segue rigorosamente os protocolos sanitários, diante da pandemia.
 
Vacinas COVID-19
A expansão do novo Coronavírus acentuou as tensões quanto à imunização. Se, por um lado, a crise sanitária gerou efeitos na redução da procura por vacinas previstas no calendário anual – com pessoas adiando a ida aos postos e rede particular devido ao receio do contágio –, por outro, deu início a uma corrida pelo imunizante contra o SARS-CoV-2.

A autorização para o uso emergencial das primeiras vacinas contra a COVID-19, desenvolvidas pela comunidade científica, foi dada no dia 17 de janeiro, no Brasil, com o início da imunização para o grupo prioritário, via Sistema Único de Saúde (SUS).

O quantitativo restrito de doses disponíveis, no entanto, ainda é um desafio, frente ao aumento significativo do número de infectados. A previsão é que a rede pública avance, mediante chegada das doses, com as etapas do Programa de Imunização. Na rede privada, ainda é necessária a avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e o IHEF Vacinas, do Grupo Meddi, informa que deve estar entre as primeiras clínicas, em Feira de Santana e Salvador, a adquirir os imunizantes. “Temos previsão. Foi realizado o pedido de uso à Anvisa e está para ser avaliado, mas já estamos na lista de compras”, revela a coordenadora Fabiana Porto.

Sobre o IHEF   
O IHEF (Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Feira de Santana), foi fundado em 1983, objetivando proporcionar a todos os pacientes do estado da Bahia, diagnóstico e tratamentos das doenças do sangue. Após anos de atuação, o IHEF expandiu para as áreas de medicina laboratorial, diagnóstico por imagem, medicina nuclear, vacinas e banco de sangue, dando origem ao Sistema de Saúde IHEF, o mais completo serviço de saúde não hospitalar do interior da Bahia.

Desde 2014 é prêmio Top of Mind no seguimento laboratorial em Feira de Santana e também vencedor do prêmio Benchmarking Bahia por duas vezes, na categoria Compliance, como o melhor laboratório do interior da Bahia. O IHEF Laboratório possui certificações de qualidade como a ISO 9001 e a Acreditação PALC.

Para mais informações, acesse: www.ihef.com.br/vacinas

Deixe seu comentário
Grupo Meddi
2016 - 2021. Grupo Meddi. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital